Oficina CEER
 14-12-2010
OBRA POÉTICA DE SOPHIA LANÇADA ESTA TERÇA-FEIRA EM LISBOA

A Obra Poética de Sophia de Mello Breyner Andresen, editada pela Caminho, vai ser lançada esta terça-feira no Palácio Fronteira, em Lisboa, com apresentação de Carlos Mendes de Sousa, coordenador da edição, e Nuno Júdice. Trata-se da primeira vez que é organizada e publicada num só volume a obra poética de Sophia (1919-2004), numa tiragem de 3000 exemplares que ostenta na capa um retrato que dela fez Arpad Szenes.

Antes desta edição, explica Carlos Mendes de Sousa, professor da Universidade do Minho, numa nota introdutória, a poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen tinha sido reunida em três volumes, também pela Caminho, no início da década de 1990.

Em seguida, a mesma editora publicou em volumes autónomos duas séries de edições de todos os seus livros de poesia, com algumas diferenças entre elas no que dizia respeito à fixação de texto: a primeira série (2003-2004), apresentada como definitiva, organizada por Luís Manuel Gaspar, e a segunda (2004-2005), com a indicação de que tinha sido revista, pela filha Maria Andresen de Sousa Tavares e Luís Manuel Gaspar.

A actual edição, em volume único, com mais de 900 páginas, «segue e actualiza os critérios de fixação de texto adoptados na segunda das referidas séries, a série das edições revistas, indica o responsável.

Nela se incluem os livros Poesia, Dia do Mar, Coral, No Tempo Dividido, Mar Novo, O Cristo Cigano, Livro Sexto, Geografia, Dual, O Nome das Coisas, Navegações, Ilhas, Musa, O Búzio de Cós e outros poemas e ainda um conjunto de poemas dispersos em revistas, livros colectivos, jornais e um cartaz, desde textos que remontam à primeira fase da produção de Sophia, dos anos 1940, até aos últimos poemas escritos em 2001.

Alguns destes textos, acrescenta Carlos Mendes de Sousa, já foram dados a conhecer na antologia Mar0, a partir da 5ª edição, publicada em 2004, com selecção e organização de Maria Andresen.

O organizador adianta ainda que esta edição da Obra Poética de Sophia não inclui um número considerável de poemas inéditos que integram o espólio da autora e que aguardam publicação em futura edição crítica.

A sessão de apresentação da obra tem início às 21:30 desta terça-feira.

Fonte: http://umonline.uminho.pt/