Oficina CEER
 02-10-2007
Reitoria "transforma-se" no novo centro de arte contemporânea do Porto

Na vez de uma porta, cabe a um contentor de dois andares dar as boas-vindas aos visitantes. O caminho prossegue por um “túnel” de cabos eléctricos ligados a uma “câmara” obscura, apenas iluminada por projecções “hi-tech”e plasmas de alta definição. Fecha-se o olhar, para se abrir de novo por entre uma sala de espelhos escondida numa cúpula de chapa, painéis coloridos no lugar de paredes de pedra, vidros cobertos por retalhos “arco-íris” e azulejos por onde formas azuis deslizam escadarias centenárias. O cenário podia figurar nas mais modernas galerias de arte contemporânea do mundo, mas torna-se surpreendentemente real no edifício da Reitoria da Universidade do Porto (Praça Gomes Teixeira), já a postos para receber, a partir de sábado (29 de Setembro), as cores e os sons da exposição “PACK”.

É com um aspecto totalmente renovado que o Átrio Sul da Reitoria (na porta voltada para o Jardim da Cordoaria) e espaços adjacentes se vão “transformar” para acolher uma exposição inédita ao encontro das mais recentes vanguardas e tendências artísticas. Isto através dos trabalhos de 22 jovens artistas portugueses (a média de idades ronda os 25 anos), todos eles estudantes do Mestrado em Práticas Artísticas Contemporâneas (MPAC) da Faculdade de Belas Artes da U.Porto (FBAUP).

Não obedecendo a outra regra que não a criatividade dos autores que nela participam, a exposição parte do trabalho de experimentação e reflexão desenvolvido pelos jovens artistas na prática diária do curso. Daí nasceu um conjunto diverso e surpreendente de 26 criações que se apresentam, pela primeira vez e no mesmo espaço, na forma de projecções de vídeo, pinturas, serigrafias, obras em azulejo, madeira, acrílico e tecido, jogos de computador, fotografias, instalações tridimensionais e esculturas.

Todas estas obras vão ganhar vida numa exposição comissariada por Fernando José Pereira e Cristina Mateus (docentes da FBAUP), a quem se colocou o desafio de combinar o espírito das recentes vanguardas artísticas com as formas de um edifício secular. Para tal, os visitantes irão usufruir de uma verdadeira galeria de arte multimédia concebida pela arquitecta Inês Moreira e equipada, entre outros materiais, com 4 plasmas; 8 DVD’s, 2 projectores de vídeo, 2 projectores de slides, 2 televisões e um par de “headphones”.

Uma “celebração das vanguardas” é então o que espera os visitantes da “PACK”, os quais poderão perder-se “Under” o já referido “sino” de espelhos (Catarina Rocha), antever o “Proxemia Future” num jogo de computador (Luís Ribeiro), partir em “Expedição” no topo de um contentor (Eduardo Matos), arriscar-se entre montagens de cabos eléctricos (Samuel Silva), admirar “Ecografias” de um feto (Vera Mota), entre outras obras da autoria de Alice Geirinhas, António José Rocha, Carla Filipe, Cecília Albuquerque, Filipa Godinho, Filipa Guimarães, Inês Azevedo, Joana da Conceição, João Carlos Pereira, João Marçal, José Almeida Pereira, Lília Silva, Maria Mire, Max Fernandes, Regina Pinheiro, Rita Pinto e Tamara Alves.

Para que nada falhe na compreensão – possível – das obras patentes, e com o propósito de reforçar a abertura do evento a toda a comunidade, está ainda prevista a realização de um ciclo de conferências e de duas visitas guiadas à exposição. A ter lugar a 10 e a 15 de Novembro, estas serão orientadas por Jurgen Bock (curator da participação portuguesa na Bienal de Veneza 2007) e Miguel von Hafe Pérez (responsável pelo projecto Anamense e responsável pelas artes plásticas no Porto 2001), ambos docentes do MPAC.

Pouco tempo depois de ter sido “Depósito” dos vários núcleos museológicos da Universidade do Porto e “palco” para as esculturas do espanhol Gerardo Rueda, o edifício da Reitoria da U.Porto prepara-se assim para acolher mais uma proposta artística original e aberta a toda a cidade. Ao abrir as portas aos novos talentos das mais variadas formas de arte contemporânea, a Universidade não só renova a aposta na promoção e divulgação de espaços culturais inéditos, como oferece à cidade uma imagem diferente da chancela científica a que a instituição está normalmente associada.

Palavras para comprovar a partir das 17h30 de sábado, data agendada para a inauguração oficial da exposição. Nesta sessão inaugural, toda a população terá a oportunidade de conhecer os meandros da “PACK” na companhia dos comissários da exposição. Depois disso, a exposição estará aberta de terça-feira a sábado, das 10 às 20 horas, até 1 de Dezembro. A entrada é livre.

Para mais informações, poderá contactar com Cristina Mateus, docente da FBAUP e comissária da exposição “PACK”, pelo telemóvel 964019129.