Oficina CEER
 18-10-2012
INVESTIGADORES DA UMINHO PREMIADOS PELA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA

Estudo sobre exposição de crianças ao fumo de tabaco envolveu mais de 3000 mil crianças de 9 concelhos.

Uma equipa de investigação coordenada pelo professor José Precioso, do Instituto de Educação da Universidade do Minho, acaba de receber o Grande Prémio Sociedade Portuguesa de Pediatria, que distingue anualmente o melhor trabalho ou comunicação oral apresentado no congresso nacional desta área. Intitulado “Crianças expostas ao fumo ambiental de tabaco em casa e no carro em Portugal”, o trabalho concluiu que uma em cada três crianças está exposta ao fumo do tabaco em casa e mais de um quarto daquelas que são transportadas de carro padece do mesmo problema.

O estudo foi desenvolvido com uma amostra representativa de nove concelhos de Portugal (Braga, Porto, Viana do Castelo, Covilhã, Lisboa, Évora, Faro, Funchal e Angra do Heroísmo), constituída por 3187 alunos do 4.º ano de escolaridade, no ano letivo de 2010/11. A investigação revela que esta situação deve-se sobretudo aos progenitores (70% das mães fumadoras e 57% dos pais fumadores fazem-no no domicílio, por exemplo), sendo a percentagem superior naqueles que estudaram até ao 9.º ano. A cozinha é o local escolhido pelas mães para fumar, enquanto o pai, os irmãos e os convidados decidem fazê-lo em zonas próximas de janelas ou portas abertas para exterior. Os resultados indicam ainda que metade dos filhos transportados de carro pelos pais fumadores está exposta ao fumo de tabaco ao longo da viagem.

“É fundamental que os pais protejam a saúde dos filhos. Os pediatras devem aconselhar os pais a não fumarem em casa. Os professores, no âmbito do programa Domicílios 100% Livres de Fumo, estão já a ensinar as crianças a protegerem-se desta agressão”, revela José Precioso. E acrescenta: “É relevante discutir mitos e falsas crenças associados com a exposição de crianças, tais como: ‘Fumar em casa e no carro quando a criança não está presente evita a contaminação’ ou ‘fumar na cozinha ou perto da janela não expõe a criança’”.

Trabalho envolve nove entidades ibéricas.

A investigação foi realizada por Henedina Antunes, Ana Carolina Araújo, José Precioso, José Machado, (todos da UMinho), Catarina Samorinha (Universidade do Porto), José Manuel Calheiros, Sofia Belo Ravara, Paulo Vitória (todos da Universidade da Beira Interior), Elisardo Becoña (Universidade de Santiago de Compostela), Jorge Bonito (Universidade de Évora), Manuel Rosas (Administração Regional de Saúde do Norte, Câmara Municipal de Viana do Castelo) e Manuel Macedo (Hospital de Braga), bem como especialistas do Hospital CUF Descobertas, do Instituto Catalão de Oncologia de Barcelona e da Agência de Saúde Pública de Barcelona. A comunicação premiada foi apresentada este mês no 13º Congresso Português de Pediatria, por Henedina Antunes, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da UMinho e pediatra no Hospital de Braga.

Mais informações
Prof. José Precioso – 253604273, 933456833,
precioso@ie.uminho.pt

Fonte: uminho.pt