Oficina CEER
 22-07-2009
U.Porto com 70 por cento de empregabilidade

A grande maioria (69%) dos diplomados em 2006/07 pela Universidade do Porto exercia uma actividade profissional (incluindo bolseiros de projectos de investigação) entre os 14 e 20 meses após a conclusão do curso, sendo que a maior parte (66,4%) se dedicava exclusivamente ao estudo durante o último ano da licenciatura. Esta é uma das conclusões do inquérito lançado pelo Observatório de Emprego e da Trajectória Profissional dos seus Diplomados, criado em 2008 na U.Porto. As respostas demonstram ainda que 37% dos inquiridos demorou um a três meses para conseguir o primeiro emprego, sendo que 27,8% acedeu imediatamente. Acrescente-se que 72,8% nem precisou de encontrar nenhum trabalho esporádico durante o período de procura do primeiro emprego.

Relativamente ao grau de adequação das funções profissionais à formação académica 36,6% considera o emprego "muito adequado". 36,9% pretende permanecer na empresa ou organização e progredir na carreira (36% trabalham em empresas com mais de 500 trabalhadores). Quanto à formação na U.Porto, 52,7% faz uma "boa" avaliação quanto aos conhecimentos teóricos adquiridos, 37,8% tem a mesma opinião quanto aos conhecimentos técnicos e 34,7% relativamente às competências profissionais. 32,3% considera "suficiente" a adequação às exigências do mercado de trabalho. Razões que levam 68,8% dos inquiridos a afirmar que "actualmente escolheria diplomar-se na mesma licenciatura e faculdade".

A maior parte dos inquiridos tem entre 20 e 25 anos e é residente no Grande Porto.

O inquérito foi realizado entre Janeiro e Abril de 2009, envolveu 1 642 diplomados do ano lectivo 2006/07 (1 001 mulheres e 641 homens), o que corresponde a 54,3% da população. AS / REIT