Oficina CEER
 24-10-2016
A RELEVÂNCIA MÉDICO-LEGAL FACE AOS VÁRIOS INTERVENTORES EXTRA-HOSPITALARES, NO LOCAL DO CRIME

APRESENTAÇÃO

Os circunstancialismos das sociedades atuais leva-nos a questionar sobre o que está certo e o que está errado, a verdade e a mentira... As más notícias avassalam os meios de comunicação social e como tal, a opinião pública sensibiliza-se com tais informações, havendo um sentido generalizado de prepotência e de impunidade, sabendo de antemão que as autoridades judiciárias, os vários OPC’S prestam o melhor serviço possível, mesmo com percalços investigatórios extrínsecos...
A criminalidade mais violenta e mais complexa, invade um todo não deixando ninguém imune ao fenómeno. Assim, exige-se à Justiça que seja imparcial, objetiva, concisa, pragmática na descoberta da verdade. Mas como por si só conseguir tais intentos? Será que o cidadão genérico nomeadamente aquele que presta serviço aos outros poderá marcar tal diferença? Creio não ser novidade que a Medicina-Lega/Ciências Forenses traduz um leque de saberes, sendo por excelência a fonte do conhecimento da produção da prova criminal. Todavia, poderá ser novidade que alguns saberes básicos/primários possam ser aprendidos e traduzidos pelo cidadão comum em vários contextos, coadjuvando assim, as autoridades competentes na descoberta da verdade. Nesta linha conceptual, urge que todos os profissionais estejam preparados para uma eventualidade perante um cenário de crime, bem como mais diligentes em relação a uma eventual prevenção criminal.
A relevância Médico-Legal face aos interventores extra-hospitalares no local do crime, é um apanágio, para que todos possam adquirir conhecimentos e quando necessário pô-los em prática, no auxílio de uma justiça que nos orgulhe e que nos surpreenda positivamente.
"Os que se encantam com a prática sem a ciência são como os timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza do seu destino." (Leonardo da Vinci).

OBJETIVOS

Nos tempos que se avizinham e nos tempos que se vivem, verifica-se que todos os profissionais, nomeadamente todos aqueles que prestam serviço na área da saúde, devem adquirir competências mais amplas em várias áreas. Ora na Medicina-legal e Ciências Forenses, os conhecimentos que integram esta área são tão vastos e inequívocos na proteção/auxílio da vítima e na coadjuvação das autoridades judiciárias, que seria negligente privar todos de tais informações.

DESTINATÁRIOS

Público alvo
A todos os docentes, trabalhadores e estudantes da UTAD.

DATAS/HORÁRIO

16 de novembro, pelas 14:30 horas.



COMISSÃO CIENTÍFICA

Prof. Alice Margarida Simões

COMISSÃO ORGANIZADORA

Prof. Alice Margarida Simões
Dr. Paulo Sérgio sousa Silva

PALESTRANTES

Dr. Paulo Sérgio Sousa Silva
Dr. João Martins
Dr. Armando Sousa

​ PROGRAMA

Moderadora:
Prof. Alice Margarida Simões

Intervenções de:
Dr. Paulo Sérgio Sousa Silva
Dr. João Martins
Dr. Armando Sousa

A relevância Médico-Legal face aos interventores extra-hospitalares no local do crime, é um apanágio, para que todos possam adquirir conhecimentos e quando necessário pô-los em prática, no auxílio de uma justiça que nos orgulhe e que nos surpreenda positivamente.

NOTA: No final destaca-se uma interação com a plateia.

Máis informação em: http://www.utad.pt/vPT/Area2/agenda/Paginas/relevancia%20medico-legal.aspx